Depoimento: Em 2010 ganhei o melhor presente que Deus pode dar a uma mulher... - Marilei - SP
   Depoimento: Em 2010 ganhei o melhor presente que Deus pode dar a uma mulher... - Marilei - SP

De repente apareceu um nódulo na mama, que parecia ser um empedramento do leite, pois estava dando de mamar, meu filho tinha apenas 1 mês. Todo mundo falava que não era nada, “é do leite...”,

Passaram mais dois meses, o meu pequeno “Lucas” já estava com três meses, ai apareceu uma íngua na axila, aquilo me chamou a atenção. Mais comentário, "toda mulher que amamenta tem íngua e empedramento de leite". Eu tinha uma consulta com a ginecologista, que me examinou. Expliquei o que estava acontecendo e ela disse: “Vamos fazer um ultrassom da mama e axila, mas sem pressa, pois acho que não é nada, só vou pedir pois relatou que a íngua já esta ai há mais de uma semana”. Marquei os exames sem pressa,  depois de 1 mês.

Quando fui fazer o ultrassom o médico, no momento do exame já falou que não era do leite. Achei estranho, mas não imaginei alguma coisa muito grave.

O médico liberou o exame no dia seguinte e solicitou que eu marcasse uma consulta urgente com um mastologista.

Trabalho na área da saúde e com pessoas que tem câncer,  mesmo estando de licença maternidade fui até a clínica onde me examinaram e me falaram: “não parece ser uma coisa boa”. Fui até o mastologista no mesmo dia, ele me solicitou uma biópsia.

Até este momento ninguém esperava algo grave, mas era muito grave! Tinha um tumor na mama direita, com 6,0cm e na axila de 7,0cm.

O diagnóstico era o pior, Carcinoma de mama, dois tumores grandes.

Começou meu desespero, meu filho tinha apenas quatro meses. Interrompi a amamentação, ainda bem que ele não sofreu com tudo isso.

O mundo desabou. Quando tive plena certeza do meu diagnostico, tinha certeza que iria morrer.

Comecei a quimioterapia, meus cabelos caíram todos, fiquei com cara de doente.

No começo fiquei muito desesperada, sofri muito, meu médico não me poupou em dizer todo o diagnostico. Procurei me fortalecer, encontrei forças em Deus, e aos poucos fui  entendendo o quanto tinha que aprender com esta doença. Foram 10 meses de tratamento,quimioterapia, cirurgia e radioterapia. Não tive enjoo durante a quimioterapia, só tive os glóbulos brancos baixos e uma queimadura de 4º grau no seio devido à radioterapia.

Não tinha feito a retirada das mamas. Depois que terminei todo o tratamento, apareceu outro nódulo na outra mama, onde tive que fazer nova biópsia. Deu negativo graças a Deus, mas cada exame de revisão era um “flash”

Meu oncologista sugeriu a retirada das duas mamas por prevenção. No começo não queria, mas depois achei melhor fazer a adenomastectomia bilateral, pois já tinha feito 3 biópsias daquele nódulo. Foi a melhor coisa que fiz.

Estou há 6 anos sem doença. Para mim é um milagre, pois na opinião dos médicos este tipo de tumor voltaria logo.

Hoje posso dizer que passei por um deserto árduo e doloroso, mas entendi que tinha que encarar este monstro de frente e lutar contra ele, e lutei muito .

Se falar que não sofri, estou mentindo, mas entendi que a cura de todo este processo estava na minha fé e na minha mente.

Tive muito apoio da família e amigos, médicos e enfermeiros maravilhosos, isso faz uma diferença muito grande. No meio da tempestade encontrei abrigo, aconchego, carinho, atenção, entendimento e principalmente “DEUS”.

Não adianta esbravejar, se revoltar, se deprimir e culpar alguém. A luta tem que ser todos os dias.

Assim como costumo dizer, tinha um gigante em minha vida onde lutava constantemente. Eu nunca escondi de ninguém a  doença que tive, quando assumimos o que temos fica fácil a batalha.

A vida é curta demais. Hoje vivo um dia de cada vez com muito amor e não deixo nada para trás.

Minha mensagem. Não deixe o câncer vencer você! Seja mais forte que ele e vença-o. Não desiste nunca"

 Marilei,  41 anos - São Paulo