Natalie Marson Dantas -  São José dos Campos (SP)

Os meus sintomas antes da dieta era bolhas de água nas regiões de juntas, que estouravam e formavam feridas, quando não inflamavam. Fui diagnosticada celíaca em 2010, porém só iniciei a dieta sem glúten no ano seguinte, pois não aceitava a condição de retirar o glúten da alimentação. Fiquei extremamente sensível a ponto de ter todas as reações (dores e diarreia) apenas de entrar numa padaria ou me contaminar com alimentos preparados junto com alimentos com glúten.

Atualmente minha alimentação é bem restrita, faço as minhas refeições somente em casa e raramente como em restaurante. Quando saio já vou alimentada ou quando tem festas levo minha marmitinha. Na minha casa não entra farinha de trigo ou qualquer outro alimento que contenha glúten. Meu intestino delgado e duodeno já estão normais. Mas faço acompanhamentos, apesar da doença estar controlada.

No começo era muito mais difícil, me sentia excluída socialmente, tinha dificuldade de encontrar produtos. Na própria rotina percebia que tudo tinha glúten. A dificuldade em viajar, ou ir a festas também me incomodava, mas isso foi mudando aos poucos. Acredito que todo celíaco deve ter um acompanhamento psicológico temporário para aceitação da condição. Hoje em dia existem muitos produtos sem glúten em redes de supermercado, o que facilita muito a vida e hoje temos mais opções”.

Natalie Marson Dantas, 30 anos, empresária, São José dos Campos (SP)