“A coceira da candidíase é algo insuportável. Ela apareceu na primeira vez em 2011, mas era algo bastante leve. Senti depois de um tempo que a região estava inchada e vermelha. Não procurei nenhum médico e pesquisei na internet quais seriam os medicamentos indicados. Comprei na farmácia e fiz banho de assento por uma semana. Minha rotina não foi prejudicada, porém, o incômodo era forte. Usava calças apertadas para trabalhar e no final do dia estava pior – com mais coceira e inchaços.

Na segunda vez estava na praia. Fiquei o dia todo com o mesmo biquíni e na manhã seguinte  usei a peça ainda molhada. Como estava muito quente, acredito que isso causou o problema. Foi horrível, pois atrapalhou muito a minha viagem. Não conseguia me divertir, procurei uma farmácia e não tinha o remédio que usei da primeira vez. Por isso, evitei ir à praia e queria voltar o quanto antes para São Paulo.

Conversei com a minha mãe e ela me disse que tem candidíase com frequência. Para ela, piora ainda mais quando consome doces em excesso. Fiquei com vergonha de procurar um médico quando tive essa doença. É muito desagradável, mas já conversei com a minha ginecologista sobre isso e parece que é mais comum do que imaginava. É uma pena que divulguem pouco. Ter informações sobre causas e sintomas é importante para prevenir e se tratar adequadamente”

M. R. C, 38 anos, publicitária