“Tive candidíase em 2013 após participar de uma festa que tinha piscina. Começou como uma coceira leve e depois de uma semana apareceu um corrimento branco e a coceira piorou muito, ficando insuportável. Procurei um médico quando não conseguia mais me mexer direito de tanto coçar, mesmo me controlando eu já estava com a região bem inchada. Fiz uma pesquisa na internet e imaginei que era candidíase. O incômodo era tão grande que acabei indo de madrugada porque não ia aguentar esperar até de manhã.

O médico me passou uma pomada para uso local e um remédio oral de dose única. Meu marido também precisou se tratar. Tive candidíase no ano seguinte novamente e como eu sabia os sintomas fui logo ao médico. Eu trabalhava em escritório na época, e era muito difícil se concentrar com essa doença.

Tenho bastante receio de ter esse problema de novo. Em viagens prefiro sempre levar o remédio por precaução. Acredito que há pouca informação sobre o assunto. Muitas pessoas ainda pensam que é uma doença que é transmitida apenas por relações sexuais e no meu caso não foi por essa razão, tenho a impressão que as altas temperaturas e uma predisposição causaram esse problema desagradável”

Tuyanne Potasso de Souza, 23 anos, consultora em sexualidade