A perda das sobrancelhas também destrói a autoestima da paciente
   

Em uma sala ao lado, mas longe dos nossos olhos, estava uma paciente que se submetera a uma mastectomia. Ela apareceu no final do relato do oncologista, após ser submetida a uma pigmentação no mamilo. A alegria dela foi impressionante ao mostrar o quanto tinha ficado bonita a reconstrução.

Mas isto era apenas o começo do dia que mudaria o meu olhar. O doutor nos mostrou que, além dos cabelos e da mama, outra coisa que destruía a autoestima da mulher era a perda dos pelos das sobrancelhas.

Saí deste workshop decidida que queria fazer isto para o resto da minha vida. Meu desejo era poder levar tamanha alegria a estas mulheres, assim como aconteceu com a paciente que qu acabara de conhecer. Se com o mamilo, que fica escondido, ela ficou tão feliz, imagina se essa transformação fosse feita nas sobrancelhas? E foi assim que cheguei ao Núcleo da Mama, em Barueri. Logo, percebi que tinha feito a escolha certa.

Minha primeira cliente já estava se submetendo à quimioterapia. Estava caladinha, curvada, com cabelinho preso... Ela deitou- se na maca e não disse muitas palavras. Iniciei o trabalho também calada e, aos poucos, fui redesenhando suas sobrancelhas, procurando recuperar o formato original delas... Meu objetivo era ajudá-la e resgatar um pouco  de sua história. Afinal, a sobrancelha revela muito sobre nós.

Mais uma vez não me contive. Quando ela se olhou no espelho por alguns segundos, ficou calada e, de repente, com a voz embargada, me disse: "Pelo menos uma coisa de bom esta doença me deu, que foi a minha sobrancelha de quando eu era bem jovem". Imediatamente, a cliente abriu a bolsa, pegou um batom vermelho e um pente e começou a rir. Foi muito emocionante. Naquele momento, presenciei uma mulher se encher de desejo de abraçar a vida.

Pra mim, não existe presente maior do que fazer parte de histórias como esta. Quero fazer isto para o resto da vida. O presente não é delas, é meu!

Clarice Goulart, de Barueri (SP)