Toda perda tem um ganho...
   Toda perda tem um ganho...

"Toda perda tem um ganho" – Lya Luft.

Duro mesmo foi enxergar esse “ganho”. Quando se é diagnosticado com câncer, você perde o chão. É onde se tem a exata sensação de impotência e da falta de controle – como se fosse possível ter controle sobre algo. Você se sente um nada e faz mil questionamentos. Porque aconteceu isso comigo? Vou morrer?

Um diagnóstico de câncer de mama mexe com a sua feminilidade. A partir do momento que recebi o diagnóstico comecei a pensar e a perguntar aos médicos que iam cuidar de mim quais eram as minhas possibilidades e ferramentas que tinha à minha disposição para enfrentar essa batalha, então só tinha um caminho: seguir em frente e vencer cada etapa.

A "limpeza" do organismo começaria com a cirurgia, em seguida viria o tratamento complementar. Assim fui encarando com fé, com a família e com os amigos, a maior batalha da minha vida.

Foram 4 sessões de quimioterapia, a cada sessão eram dois dias péssimos e depois tudo começava a entrar nos eixos até que vinha a próxima quimio. Um dos piores momentos foi a perda de cabelo que vinha coroar todo esse momento tão difícil.

Fiz questão de relatar todo esse lado pesado para agora descrever tudo de bom que essa doença me trouxe. Foi um divisor de águas, antes e depois da doença. Algo muito forte mudou dentro de mim, passei a não dar importância para algumas coisas e a dar importância para outras coisas que realmente eram importantes. Tornei-me uma pessoa mais forte? Quem sabe? Me faço essa pergunta todos os anos quando faço a batelada de exames de rotina e novamente me sinto frágil, assim já se vão 15 anos e meio do primeiro dia do resto da minha vida.

Vivo plenamente, contemplando coisas simples como um lindo dia de sol, o céu azul, a companhia da minha família, dos amigos e de outros tantos que aparecem na vida da gente na mesma sintonia. Consigo perceber e sentir essas pessoas especiais e ter a certeza que nada é mais importante na vida do que ter saúde.

Durante o tratamento tive uma percepção muito significativa da energia positiva que estava ao meu redor, pessoas me surpreenderam com gestos de amor, solidariedade e orações e isso foi muito gratificante. Agradeço a todos mas em especial à minha mãe que teve papel primordial na minha cura.

A mensagem que deixo para as pessoas que estão enfrentando essa doença é que não desistam da vida! Lutem com todas as armas, pois a medicina evolui dia após dia e, se soubermos aproveitar essa chance que nos é dada de ver a vida sobre outro prisma, nos tornamos pessoas com uma linda história de superação.

R.C –  São Paulo - SP