Dra. Marineide Carvalho – oncologista clínica da Santa Casa de São Paulo
   Dra. Marineide Carvalho – oncologista clínica da Santa Casa de São Paulo

Insituto Viver Hoje: Há quanto tempo existe a disciplina de oncologia na Santa Casa de São Paulo?
Dra. Marineide Carvalho: Na Santa Casa de São Paulo a Disciplina de Oncologia existe há 20 anos.

IVH: Quantas pacientes são atendidas anualmente?
MC: O Serviço de Mastologia recebe as pacientes pela Central de Ofertas de Serviços de Saúde – CROSS, da Secretaria de Saúde. O Serviço de Mastologia da Santa Casa é pioneira na reconstrução imediata da mama, sendo formadora de profissionais em Oncoplástica há 15 anos. Por ano são atendidas 8.000 pacientes.

O sorriso do voluntário é uma benção na hora da alegria, o abraço do voluntário na hora da dor é um acolhimento inestimável.

IVH: Qual a importância de campanhas como o Outubro Rosa para a população?
MC: Todas as campanhas de informação são positivas; na área da saúde, as campanhas são essenciais porque a informação técnica sobre doença e diagnóstica não são divulgadas, exceto nas epidemias. As doenças que ocorrem rotineiramente não são do conhecimento público. No Outubro Rosa, a população é conscientizada sobre sua responsabilidade no diagnóstico do câncer de mama. O conhecimento de que a mamografia pode revelar casos curáveis pela cirurgia exclusiva é fantástico. A mulher após os 40 anos passa a pensar em prevenção para ter saúde. Passa a ter responsabilidade sobre seu futuro; fazer diagnóstico precoce é evitar mutilação.

IVH: Como é estar recebendo uma exposição fotográfica feitas com as pacientes da Santa Casa? Quais os benefícios emocionais que trabalhos como este podem trazer na superação da doença?
MC: Ter a Instituição indicada para o projeto Mulheres no Espelho – para nós que trabalhamos na Santa Casa de São Paulo –, é motivo de muito orgulho. A seleção das pacientes foi muito interessante porque ocorreu aleatoriamente; explicamos o projeto fotográfico e perguntamos quem estava disposta a participar. A aceitação foi imediata e a motivação baseada no desejo de ajudar outras pacientes ou de agradecer o tratamento que está recebendo. A paciente que se deixa fotografar já está numa fase avançada e evoluída de compreensão da doença e com a autoestima recuperada. Esperamos que esse ensaio seja usado como modelo a ser alcançado para a recuperação da autoestima.
 
IVH: Qual a importância do voluntariado na Oncologia?
MC: O voluntariado exerce diversas funções na Oncologia. O que para mim tem uma importância fundamental é a quebra de preconceito: a aceitação do indivíduo como ele é, sem esteriótipos, transformando-se a cada batalha vencida na luta pela vida. A ação social que o voluntariado exerce está baseada no amor ao indivíduo, aos seus familiares e à equipe multiprofissional envolvida no tratamento oncológico. O voluntariado, cria uma cadeia de laços afetivos que ameniza a dor e o sofrimento. Essa cadeia também alimenta os momentos de vitória e superação. O trabalho do voluntariado como agente captador de recursos, na maioria dos casos, é a fonte que torna possível o tratamento oncológico, e somos muito gratos por essa ajuda. O sorriso do voluntário é uma benção na hora da alegria, o abraço do voluntário na hora da dor é um acolhimento inestimável.