Alimentação e câncer – parte 1
   Alimentação e câncer – parte 1

É desnecessário dizer o quanto um diagnóstico de câncer afeta as pessoas e o quanto a doença e seu tratamento afetam o corpo. Um dos meios de se cuidar é através da alimentação. Além de evitarmos álcool, fumo e drogas, é necessário evitarmos ou diminuirmos a ingestão de alguns alimentos. Confira na lista: 

  • Chá preto e café: São ricos em cafeína o que irrita o trato gástrico e tira o cálcio dos ossos, elimina potássio e zinco, minerais essenciais ao corpo. 
  • Refrigerantes: os refrigerantes do tipo cola contêm conservantes e corantes tóxicos e o gás contido nesse tipo de bebida causa gases estomacais e intestinais, além da desagradável sensação de inchaço abdominal. 
  • Bebidas dietéticas e artificiais: contêm adoçantes artificiais como aspartame, que pode gerar crises de ansiedade e sacarina que é tóxica para o fígado. Há suspeita de que o ciclamato possa ser cancerígeno, ou seja, causa câncer. As bebidas artificiais (sucos em pó) contêm corantes químicos em sua composição, desaconselháveis à saúde. 
  • Frios, embutidos e defumados: contêm produtos químicos corantes e conservantes comprovadamente cancerígenos.
  • Alimentos enlatados e industrializados Evite o amendoim e seus derivados, os grãos conservados em latas. Milho e farinha de milho industrializados. Prefira o milho verde fresco cozido em água ou para preparar pratos doces ou salgados. 
  • Alimentos gordurosos e frituras, leite integral, queijos gordurosos, massas do tipo "podre" que cobre empadas e tortas, óleo e gorduras aquecidos. Prefira o azeite extravirgem natural, ou seja, não o frite.

Estas proibições têm profundas razões de ser. Entre os motivos mais comuns como poupar o fígado e ter melhor digestão, evitar a obesidade, e promover o bem-estar geral do corpo, a quimioterapia deixa o organismo susceptível a uma série de efeitos colaterais que podem ser aliviados através da boa alimentação:

  • Diarreia: alimentos pobres em gordura como batata, arroz, cenoura, banana prata, maçã, goiaba, peito de frango. Evite condimentos fortes e cozinhe bem os alimentos com um pouco de sal que ajuda a reter líquidos no organismo evitando a desidratação. Beba pelo menos dois litros de líquido (água, sucos, chás, refrescos) por dia. Laranjas, pêssegos, tomate, água de coco e damasco são alimentos que contêm potássio, um sal que deve ser reposto após episódios de diarreia. Evite alimentos com alto teor de fibras. Siga as instruções médicas sobre medicamentos e higiene.
  • Perda de peso: ovos, carnes, massas, sorvetes sem gordura, leite, queijos (devem ser evitados os laticínios se houver episódios de diarreia) ajudam a manter ou aumentar o peso. Prefira os que têm pouca gordura.
  • Aumento de peso: diminua a ingestão de alimentos e para os lanches e sobremesas prefira frutas. Diminua o sal. Tome água entre as refeições.
  • Feridas na boca: além dos cuidados higiênicos, prefira os alimentos mais pastosos e cremosos como sopas de legumes batidas ou não no liquidificador e com pouco sal, gelatinas, sorvete de preferência de frutas, bebidas geladas.
  • Enjoo/Náuseas: alimente-se em intervalos menores (3 em 3 horas) e em pequenas quantidades. Alimentos leves e sem gordura tais como biscoito cream cracker, torradas, gelatina, chás, queijo do tipo cottage ou ricota, frutas de fácil digestão como maçã, mamão e banana. Nas refeições principais arroz, carnes brancas ou peixe, legumes cozidos, feijão, saladas temperadas com pouco sal, cheiro verde e azeite extravirgem. Evite alimentos com cheiro forte como café, peixes, alhos e cebolas.
  • Vômitos: descanso e alimentos que não sobrecarreguem o estômago, mastigá-los bem. Podem ser ingeridos pão branco, torradas, pão integral fresco ( que deve ser mantido em geladeira para evitar o mofo), legumes, verduras, frutas e cereais.
  • Prisão de ventre: ao contrário da diarreia, prefira os alimentos ricos em fibras como laranja, mamão, ameixas, uva, vegetais e cereais integrais; tome muito líquido e faça exercícios leves como caminhada.

Conselhos úteis

  • Lembre-se: embora sua alimentação deva ser o mais natural e orgânica possível, nem tudo que é “natural” é saudável. Cuidado com chás de ervas que embora pareçam inofensivos sempre trazem efeitos colaterais e podem conter toxinas.
  • Água com gás: evite-a, pois causa desconforto abdominal.
  • Faça uma dieta fracionada, comendo pequenas quantidades, lenta e frequentemente.
  • Evite a ingestão de líquidos junto às refeições.
  • Alimente-se em ambiente calmo e tranquilo. Evite comer em locais abafados, quentes ou com odores que possam causar náuseas.
  • Mastigue bem os alimentos.
  • Não realize esforços físicos após as refeições. Tenha uma atitude otimista e leve. Relaxe e busque momentos de meditação e oração. Tire uma soneca à tarde. Ou seja, descanse após refeições, pois a atividade pode retardar a digestão.
  • Se a náusea costuma aparecer durante o tratamento, evite comer 1 ou 2h horas antes da quimioterapia ou radioterapia.
  • Tente descobrir quando a náusea ocorre e qual sua causa.
  • Introduza mudanças no seu plano alimentar. Fale com o médico ou nutricionista.

Na segunda parte, falaremos sobre os mitos e verdades sobre alimentação no tratamento oncológico. Fique ligado!