Manchas e sardas: outono e inverno são as estações para tratá-las
   Manchas e sardas: outono e inverno são as estações para tratá-las

Mas por que elas aparecem? O principal fator do surgimento das lesões é a exposição aos raios ultravioletas A e B do sol, associados a fatores raciais. Nas melanoses senis (manchas escuras) ocorre um estímulo dos melanócitos, com aumento de produção de melanina; já nas leucodermias (manchas brancas) há tanto estímulo que ocorre a destruição dos melanócitos na região. Na verdade, estas lesões não têm transformação maligna, porém é muito importante estar atento e procurar orientação, pois muitas vezes a mancha já é um tumor inicial da pele e não uma simples “sarda”. Nestes casos um diagnóstico e tratamento precoces podem salvar uma vida.

O mercado dispõe de algumas alternativas de tratamento:

Tratamento de “sardas escuras”

É importante antes do tratamento se definir qual é o real problema, pois há muitos tipos diferentes de manchas escuras que acabam sendo chamadas de “SARDAS”; desde lesões de micoses até tumores de pele.

As sardas escuras ou efélides são estimuladas pelo sol, aumentam da infância em diante, e dependem também de um fator genético-racial (mais comuns em pessoas  ruivas e loiras). Surgem na face e no tronco e mais raramente nos membros. Um diferencial importante são as melanoses solares (ou senis) que surgem principalmente no dorso das mãos e dos braços, após a terceira década da vida, em pessoas de pele clara.

Podem ser tratadas com LASERS “Q-SWITH”, que vão destruir o pigmento escuro e constituem um dos tratamentos mais eficazes. Na aplicação ocorre leve dor, suportável. Após a aplicação podem se formar casquinhas, que caem espontaneamente.

Outra alternativa são os peelings químicos e cauterizações químicas, que provocam uma descamação controlada da pele com clareamento das manchas com leve ardor na aplicação.
A crioterapia, com uso de nitrogênio líquido ou neve carbônica também é muito eficiente, pois destrói os melanócitos (células que produzem a melanina – pigmento que dá cor à pele). Ocorre também dor discreta, podendo ocorrer formação de bolhas. É preciso experiência do médico, para não causar hipocromia (mancha branca) no lugar da escura.

Cremes com despigmentantes e ácido retinóico deverão ser prescritos pelo médico e usados em casa, bem como os protetores solares. Existem também os cosmecêuticos que podem ser elaborados e prescritos por profissionais cosmetólogos.  É importante também que se faça um preparo da pele com esteticista para garantir maiores resultados.

Tratamento das sardas brancas

As “sardas brancas” (ou leucodermas gutatas solares) também devem ser diferenciadas de outros problemas como cicatrizes, vitiligo, micoses e alergias, entre outras.
As leucodermas gutatas (sardas brancas) surgem também com a idade devido à destruição dos melanócitos (células que dão cor à pele) pela exposição à radiação ultravioleta (solar ou artificial).

Seu tratamento é difícil é a melhora variável. É feito com dermabrasão, peelings, estimulantes de pigmentação (melagenina, viticromim), psoralênicos (aumentam a sensibilidade ao sol), dihidroxi-acetona (pigmentante) e LASERS (não ablativo e Excimer). São praticamente indolores, podem formar casquinhas e normalmente tornam vermelhas as manchas brancas, antes da repigmentação.

Definir qual o melhor tratamento para cada um dos casos é bastante difícil, pois as indicações variam de acordo com o tipo, o local, o tamanho, o tempo de evolução e a intensidade das manchas, bem como das condições e disponibilidade dos pacientes.

Contra-indicações

Os tratamentos têm poucas contra-indicações, entre elas a gestação, a amamentação, a alergia aos componentes utilizados além da fotossensibilidade e à exposição ao sol.
O que acontece após as aplicações/tratamentos:

Na maioria dos tratamentos para as manchas escuras ocorre a formação de uma casquinha, que vai descamar em alguns dias, deixando a área rosada, que depois adquire a cor normal da pele; o uso de protetores solares além da proibição de exposição solar são medidas indispensáveis durante o tratamento.

Para as manchas brancas também pode se formar uma casquinha, e a pele deverá ficar avermelhada ou rosada no início do tratamento, para depois repigmentar.

Duração dos tratamentos

O tratamento normalmente é rápido para as manchas escuras, com 2 a 4 sessões de 5 a 15 minutos, com intervalo de 7 a 14 dias.

Para as claras podem ser necessárias mais sessões.

Manutenção

A manutenção em casa é fundamental para o sucesso do tratamento. Porém o recondicionamento da pele após as aplicações citadas anteriormente será de suma importância, pois a pele se encontrará desidratada e sensível, necessitando, portanto, de sessões de hidratação a laser para a dessensibilização e devem ser realizadas por um profissional esteticista. Além disto, o uso de cremes adequados ao tipo de pele e de protetores solares será imprescindível.

Também vale ressaltar que durante e após o tratamento o principal cuidado é não se expor às radiações ultravioletas, não remover as casquinhas e seguir fielmente as orientações do seu médico e do seu esteticista.

Além disso, usar chapéus, bonés, guarda-sóis, sombrinhas e roupas são muito importante para evitar um maior dano à sua pele, use e abuse deles!

alo@posop.com.br