Como o terapeuta ocupacional pode ajudar uma mulher mastectomizada?

O câncer de mama é o câncer mais comum entre as mulheres. O tratamento é diversificado, incluindo cirurgias como mastectomia, radicais ou conservadoras, esvaziamento de linfonodo axilares, tratamento com radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia.

Para uma melhor qualidade de vida, cada vez mais é necessário que os cuidados sejam prolongados e especializados, visto que tanto a doença quanto o tratamento inadequado ou mal orientado são capazes de gerar limitações motoras, sensitivas, dolorosas, cognitivas e emocionais, produzindo impacto na qualidade de vida dessas mulheres.

A terapia ocupacional destaca-se nesse processo, uma vez que se utiliza de recursos que visam prevenir e minimizar os aspectos citados acima, mantendo ou promovendo a autonomia e independência do paciente. 

Após a cirurgia, muitas mulheres se deparam com a quebra da rotina, alterações de seus papéis ocupacionais, limitações físicas e psicossociais. O objetivo do terapeuta ocupacional é que a paciente viva sua vida de forma ativa. 

Para que a paciente mantenha-se ativa e realize as suas atividades normalmente, o terapeuta ocupacional irá orientar e otimizar a realização dessas tarefas rotineiras de acordo com as reais limitações existentes na condição atual da paciente. Também pode ser necessário auxiliar adaptações nos ambientes em que as pacientes frequentam diariamente para facilitar suas ações do dia a dia.

Então vamos falar da prática...

Como podemos facilitar as atividades do dia a dia após a cirurgia?

Algumas breves dicas:

Dica 1: Para calçar os sapatos, use uma calçadeira de cabo longo.

Dica 2: Para pentear os cabelos, use um pente com cabo longo e apoie os braços na mesa, auxiliando com movimentos da cabeça para evitar excesso de movimento do braço quando ainda não liberado pelos médicos.

Dica 3: Quando for amarrar o cadarço ou mesmo colocar um sapato, cruzar sempre a perna para que o pé fique mais próximo do braço ou usar um apoio, como um banquinho. 

Dica 4: Para pendurar as roupas, abaixar o varal a uma altura que não faça esforço com o braço ou que ele fique esticando demais. 

Dica 5: Ao colocar uma camisa, inicie pelo braço do lado em que foi realizada a mastectomia.

Enfim, o terapeuta ocupacional orienta e adapta as atividades de vida diária da forma mais simples, auxiliando como realizá-las para facilitar a rotina das pacientes, diminuindo suas frustrações e as mantendo ativas e independentes, melhorando assim sua autoestima e qualidade de vida.